domingo, 11 de janeiro de 2015

Pássaro na gaiola

Está um frio de rachar e, submerso em camadas de vestuário de acordo com os receituários meteorológicos, ouço pássaros em plenos fôlego e inspiração melódica. Não duvido da minha sanidade, mas pelo sim pelo não encosto os phones à orelha para checkar: no meio de tantas páginas abertas para os trabalhos de hoje alguma terá talvez música de fundo ornitológica. Porém, não. Os pássaros não esperam por padecer da nostalgia de ar livre (mesmo que siberiano) e do consequente impulso que senti há pouco quando me permiti espreitar a janela por segundos. Os pássaros recusam-se à ladainha humana de ser domingo e ter de trabalhar e ficar meses sem passear pelos montes. Os pássaros voam assobiando ou assobiam voando, e que se foda a vidinha responsável e burguesa! Onde raios pus as minhas asas e o diapasão?

2 comentários:

Um Jeito Manso disse...

As asas estão nas palavras. Se as quer ver terá que escrever as palavras e devem ser muitas pois nada mais belo que uma dança de palavras em pleno voo. Mas faça lá os seus trabalhos que a gente vai-se contentando com estes breves interlúdios.

Maria Eu disse...

Ah, a maravilha do voo! Será que as asas ficaram na gaveta das meias?