quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Considerações sobre o bacalhau

Nunca, na minha vida civil, estou preparado para um aperto de mão. Quando se vive uma existência ensimesmada, o exuberante comércio social que é o aperto de mão surge inesperadamente, de súbito, como uma bala no campo de batalha (nunca estamos preparados para uma bala, nem num campo de batalha, há toneladas de bibliografia a asseverá-lo).
Resulta que a extremidade que estendo em reacção a um cumprimento, mesmo quando o faço de bom-grado, se apresenta geralmente frouxa, é apertada sem chegar a apertar. Nos melhores momentos, naqueles em que não dou choques eléctricos e consigo tempo para invocar o conceito de aperto de mão, estalam-me as falanges e os ossos do pulso no exercício de tentar que o destreinado conjunto se configure na posição correcta. Num ápice a minha mão direita é esmagada sem oposição (quando do outro lado está um culturista ou um operário) ou humilhada (quando acomodada num cumprimento competente, franco). Conheço pessoas assim, cujos bacalhaus me embaraçam, pela assertividade férrea ou pela afabilidade uterina com que acolhem os meus metacarpos. E invejo-as, sobretudo as segundas. Sim, invejo as afáveis. Um cumprimento triturador pode ser involuntário (num madeireiro habituado ao machado), mas é frequentemente exibicionista, uma pueril forma de cotejamento, não raro uma pré-declaração de guerra. Pelo contrário, um aperto de mão afável, acomodatício, ergonómico, envolvente e restaurador como uma massagem é gesto de quem vive em estado de graça. Ou é como a ironia em quem a sabe usar. Um gesto de verdadeira superioridade.
Ah, não ser um desses que levitam enquanto dão apertos de mão; dar mais cinco como quem unge Lázaro ou administra a extrema-unção. Ah, não ter sido bafejado com uma anatomia sociável, mãos como berços em vez de apêndices desajeitados, misantropos. Antes mãos de tesoura — e podia ganhar sossegadamente a vida a podar sebes. Afinal, ninguém estranha a soturnidade num jardineiro.

3 comentários:

Um Jeito Manso disse...

Li há pouco um livro em que o autor descreve como, para ele, o acto de cumprimentar os outros é uma actividade para a qual parece não ter competência e que, por isso, de certa forma o teme. Ao ler o que V. aqui escreve, pareceu-me estar perante o mesmo tipo de inibição. Ou o que escreveu foi apenas uma piada?

Já agora: tenho um colega que tem um aperto de mão mole e que, por via disso, sempre o tomei como pessoa de fraca personalidade. Uma vez comentei isso com ele e ele disse-me que nunca sabia bem até que ponto, se apertasse, poderia ser incómodo para os outros.

São pormenores mas que, frequentemente, condicionam a opinião que as pessoas formam a propósito umas das outras.

Seja como for, gostei de ler este texto, muito bem escrito (como sempre).

Anónimo disse...

Gostei muito.

Rui Ângelo Araújo disse...

Obrigado pelos comentários.