segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

As jotas

Uma parte da geração de direita que está hoje no poder ou o orbita teve formação intelectual. Não aderiu a um partido apenas como quem adere a um clube de futebol (embora muitas vezes aja como se o tivesse feito): casuisticamente, por inércia, seguidismo ou tradição familiar. Tratou de encontrar leituras filosóficas e políticas que fundamentassem a sua escolha ou inclinação natural.
Em muitos casos, deve dizer-se, a procura literária visou apaziguar a suspeita instintiva e embaraçosa de que há algo de errado com o privilégio que se tem ou ambiciona. O método consiste em soterrar a dúvida, o mal-estar, o escrúpulo ou o remorso com umas dezenas de volumes e autores. Ao fim de uma curta biblioteca, fica-se apto a considerar um bem universal a existência de ricos e classes favorecidas. Faz-se até equivaler o pragmatismo capitalista (que opera no pressuposto de que o homem é ambicioso por natureza e isso é inelutável) a uma legitimação das castas.
Alguns dos que percorreram com empenho a biblioteca acreditam genuinamente nela e desejam mesmo, com sinceridade e bons sentimentos, que ela funcione para o bem geral. Outros frequentaram-na apenas o suficiente para obterem o seu alibi. Se o ideário direitista se revelar um logro, tanto pior para a classe média, desde que eles o possam continuar a apresentar como bibliografia recomendada.

As jotas partidárias, contudo, funcionam numa lógica ainda mais mesquinha, mesmo quando se servem — geralmente em segunda mão — da mesma biblioteca. É por isso que a JS se pode equivaler, não só operacionalmente, à JSD e à JP: pela lógica da seita que acomoda os movimentos, as estratégias, as tácticas e os objectivos dos grupos. Aqui já não se trata de grupos ou classes socais tomados intemporal e universalmente, mas de um conjunto delimitado e identificado de elementos que se visa proteger e favorecer. A equivalência entre as jotas e as claques de futebol, no estilo, nos valores e nos métodos, não é fútil.

Quando Hugo Soares e os cinco anónimos deputados da JSD propõem um referendo sobre a co-adopção não estão a tentar ser irreverentes e ousados de uma forma moderna (na sociedade actual, o conservadorismo é mais irreverente do que o esquerdismo clássico e por isso alguns o adoptaram) — estão a ser solidários e a agir em articulação com os seus irmãos jotas hoje no poder. É uma espécie de maçonaria ou Opus Dei, ainda que sem transversalidade partidária, com circunscrição clubística. Os seus elementos devem mais lealdade à seita do que ao partido, e muito mais do que à sociedade.

Que a recusa da co-adopção seja também uma das bandeiras conservadoras é apenas uma coincidência feliz. O mais importante era a manobra dilatória — e captar as atenções, obter protagonismo. Os valores ou princípios são instrumentos, caprichos, ferramentas levantadas mais ou menos ao acaso do armário disponível na sede partidária. Exceptuando um punhado de idealistas geralmente sem expressão, os jotas apenas visam obter poder e privilégios dentro do sistema, contra o resto da comunidade — esta é a triste realidade.  

Sem comentários: