quarta-feira, 17 de julho de 2013

Quim Barreiros dirige JN por um dia

Ao que parece, o 'Jornal de Notícias' apresentará uma excelente prova de bom gosto como manchete de amanhã (hoje, para a maior parte de vocês). A tentação é culpar o jornal, mas um jornal não existe sem leitores. O Norte, e não só o Norte boçal, tem defendido teimosamente o JN como o “seu” jornal, apenas porque o pasquim inclui mais páginas de noticiário regional, mesmo que irrelevante. Os empresários e as luminárias do Norte sempre preferiram a noticiazinha paroquial, ainda que medíocre, a uma informação decente. As mesas de café, os consultórios de dentista e todos os velhos solares acima do Mondego revestem-se de JN. Não sei porque se queixam de o Norte ter perdido influência. Parece-me que disputamos bem o primeiro lugar ao 'Correio da Manhã' no que toca a irrelevância ruidosa e grotesca.

(Isto faz-me lembrar como, à escala provincial, os transmontanos preferiram deixar morrer o 'Semanário Transmontano', o único jornal digno de prelo que aqui conheci.)



1 comentário:

Anónimo disse...

Não concordo. Poucos jornais leio, não estou muito a par do que se escreve nos pasquins, não me interesso muito, mas pelo pouco que leio não concordo contigo.
Durante alguns anos o Público manteve alguma qualidade mas agora não me parece melhor que o JN.
O JN pode ter as noticiazinhas mas também podes passar por cima delas. Mas não tem só isso.
Tem uma agenda diária cultural que faz publicidade a eventos que os outros nem mencionam.
Ao nível do desporto tem montes de notícias sobre várias modalidades e escalões. Bate os outros aos pontos, é quase tão completo como um jornal desportivo.
Também tem alguma opinião porreira, ao contrário da dos lunáticos do DN, por exemplo.
E ainda faz uma boa cobertura geral das notícias do mundo, etc.
Podia ser melhor? Claro, muito melhor.
O teu Público é inferior ao JN em muitas coisas.

O ST não valia nadinha!!

luis boticas