quarta-feira, 10 de abril de 2013

Justiça

Apesar de todos os erros e mistificações do Governo, há um ponto onde, por justiça, ele tem de ser louvado: a demissão de Relvas. É certo que pecou por tardia, absurdamente tardia; é certo que outros ministros de outros governos se demitiram ou foram demitidos por bem menos; é certo que o ministro não foi demitido, demitiu-se (permitiram-lhe essa última honra); é certo que a pressão pública foi inaudita; é certo que o ministro da educação é Nuno Crato. Tudo isto e mais umas coisas é certo, mas um governo avançar com um processo de averiguação sobre um seu ministro e não adiar ad aeternum ou esconder os resultados, nem recusar assumir as consequências da averiguação, é novidade que deve ser saudada. Por vezes neste país o cumprimento de deveres e a coerência de decisões, de pessoas e instituições, têm de ser saudados, porque raros.

(E pronto, agora podemos voltar a vituperar o mau governo que nos calhou em sorte nestes dias de chumbo.)

2 comentários:

Um Jeito Manso disse...

... Mas sabe que ele ainda é ministro em funções...? Ainda lá anda pelo Ministério. É uma coisa do além e isso talvez seja de saudar (já que por aquelas bandas é tudo tão rasteiro que a ocorrência de uma coisa do além talvez seja de saudar).

:-)

Rui Ângelo Araújo disse...

Verdade. :)