quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Piropos

Um documentário sobre piropos, informa o JN, criou polémica na Bélgica. Ainda bem. Há coisas que têm de se discutir.
Não será preciso procurar atrás de giestas, debaixo de calhaus ou nas caixas de comentários da Internet machistas defendendo o carácter inofensivo, divertido, até elogioso dos piropos. Gente distinta e bem formada falará de excesso de zelo, de radicalismo feminista, de frigidez. Tipos (homens) que, pela sua experiência pessoal, do seu ponto de vista, acham que nada de mal há com os piropos. Tipos que, claro, não estão habituados a pôr-se no lugar das mulheres.

Há mulheres que circulam na rua de headphones ligados e olhos no chão para não terem de enfrentar a verve masculina. Há mulheres que deixam de ir a uma piscina ou a uma praia ou a um café sozinhas por não suportarem o voyeurismo e os permanentes e intrusivos gracejos masculinos. Há mulheres que condicionam o seu vestuário para não darem azo a olhares esgalgados e galanteios babosos, cuspidos a distâncias por vezes abusivamente curtas, e não raro com mãos a acompanhar.

A sinfonia dos piropos é uma música que as mulheres não pediram e, creio, a maioria dispensa. Além disso, as mulheres pressentem, sabem, sofrem na pele que nem todos os homens conhecem o que separa um piropo da inconveniência, da impertinência, do incómodo, do assédio. De algo pior. Só por isso, o piropo é indefensável.
Não precisamos de muito esforço de imaginação para percebermos como as mulheres têm a vida condicionada em relação aos homens, mesmo no civilizado e liberal mundo ocidental. Pensem os homens um minuto nas coisas que as mulheres não fazem como eles e talvez tenham uma ideia de como a defesa do piropo é uma causa frívola, egoísta. Machista.

De resto, muitos homens experimentam (e não gostam) situações análogas, quando a sua barriga proeminente, a sua careca precoce, o seu nariz aquilino, as suas grandes orelhas, a sua reduzida estatura, a sua estupidez ou seja o que for que tenham de característico são alvo de permanentes comentários e gracinhas. Ou quando o seu desempenho no trânsito causa desagrado aos outros. Os homens experimentam estas situações e não gostam, sentem a humilhação, o incómodo, a intrusão e enfurecem-se, reagem, não raro com violência. Ou ficam impotentes, a chorar de raiva, se a situação não lhes é favorável — como geralmente não o é à mulher que ouve o piropo.
É só lembrarem-se disso da próxima vez que forem num carro e resolverem buzinar as pernas da mulher que passa na berma, ou estiverem pendurados num andaime e acharem que têm de comentar o decote que lhes passa por baixo, ou sentados na esplanada se sentirem autorizados a assobiar a saia com que o vento se mete, ou ao circular no passeio em manada entenderem guinchar como os excita o traseiro da que vai à frente ou as mamas da que se aproxima em sentido contrário.

Biologicamente, nem sempre é possível ao homem ficar impávido perante a mulher. Há as hormonas e a sua influência no ritmo cardíaco. Há talvez intumescimento. Mas é disso que trata a civilização: de dominar impulsos. Não matamos ou sequer insultamos todos os que achamos que o merecem, pois não? Deixemos então as mulheres em paz na sua vida ainda que achemos que as suas formas merecem todos os elogios. Talvez elas até nos apreciem mais por isso.

A educação é uma das formas de civilizar o selvagem que há em nós. Mas por vezes, para sermos melhores pessoas, do que precisamos é de nos livrarmos da educação que tivemos. Alijar o português mediterrânico, bigodudo e façanhudo que há em nós é uma obrigação. E mesmo assim é insuficiente, como mostra o documentário realizado na setentrional Bélgica.

4 comentários:

Um Jeito Manso disse...

Não vi o dito documentário. Do que leio, muito setentrional, frio e politicamente correcto, certo?

Nele ouvia-se a opinião das mulheres meridionais ou apenas a das setentrionais?

Ou percebi mal o sentido do seu texto ou o que escreveu deixa-me um pouco surpreendida.

Rui Ângelo Araújo disse...

O documentário causou polémica porque diz que há um problema com os piropos na civilizada Bélgica.
Provavelmente o meu post é um pouco confuso, sobretudo no seu arranque. Mas pretende ser crítico dos piropos e de quem os defende. Tenho feito o meu esforço para ser menos mediterrânico.

Link para a notícia:
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=2708495

Link para o trailer do documentário:
http://youtu.be/oS4uh-plFjE

Um Jeito Manso disse...

Obrigada. Já li, já vi.

Até vou escrever um texto (certamente ficcionado, brincalhão) em que provavelmente vou incluir uma referência a este tema.

Não estou nada certa do que se diz quer na notícia/documentário quer no seu texto. Uma coisa é a grosseria, a vulgaridade gratuita, obscena (que, felizmente, vem diminuindo com o tempo). Outra é a graça, o piropo inteligente e que predispõe bem a mulher que o ouve.

Além disso, que ideia é essa de que a mulher é um ser indefeso, quase uma criança a quem é preciso defender dos perigosos homens? Se um homem disser uma parvoíce e a mulher lhe responder 'à maneira' de certeza que o homem fica instantaneamente atrofiado.

Claro que não estou a abranger no meu comentário os grupos marginais, gente troglodita, até perigosos, que ofendem e intimidam uma mulher que passe sozinha.

Mas, em sociedade, em meios normais, se há coisa que pode ter a sua graça e o seu quê de saudavelmente picante é um piropo oportuno, inteligente.

E se há quem o faça com graça e 'raça' são os homens mediterrânicos.

De qualquer forma, este é um tema que suscita interesse e que nos faz pensar (enquanto li e enquanto escrevi, hesitei algumas vezes pois é assunto em que, a meio, há uma subtil fronteira cuja percepção não está ao alcance de todos e, daí, a possibilidade de incómodo ou, até, de perigo)

Fernando Lopes disse...

Não defendo a boçalide e o mau gosto. Mas o paternalismo do seu post é assustador. Convido-o a ir ao mercado do Bolhão e atrever-se a ser impróprio com as vendedoras. Defender a emancipação da mulher é defender a sua capacidade em se autodeterminar e não tratá-las como pobre criaturas frágeis e um bocadinho menores. Mulheres piropeiem-me! Terão troco!